quarta-feira, 17 de maio de 2017

PAPA FRANCISCO: Em carta a bispos, Papa Francisco afirma que gostaria de visitar Aparecida


Em carta aos bispos reunidos na assembleia do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), o Papa Francisco disse que "gostaria de poder visitar o Santuário". O pontífice já afirmou, em outras ocasiões, que não virá ao Brasil para as comemorações de 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora de Aparecida, que acontece em outubro.

O Celam reúne 22 bispos do Brasil em El Salvador e termina nesta sexta-feira (12). Em carta enviada nesta segunda-feira (8) aos integrantes da assembleia ele lembra as comemorações dos 300 anos da Padroeira do Brasil e diz que gostaria de visitar o santuário.

"Quero me aproximar de você nestes dias de Assembleia que tem como 'música de fundo' a comemoração do 300º aniversário de Nossa Senhora Aparecida. E com vocês eu gostaria de poder visitar o Santuário", diz trecho do documento traduzido. 


O papa havia prometido em 2013, quando veio ao país para a Jornada Mundial da Juventude, que voltaria a Aparecida em 2017. Apesar disso, o então arcebispo de Aparecida, Dom Raimundo Damasceno, disse no ano passado que o pontífice afirmou não viria ao país.

Em abril, o prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), foi ao Vaticano e pediu que o Papa Francisco reconsiderasse a decisão. Segundo o tucano, ele teria dito que a mudança de planos seria "difícil".

No documento, Francisco ainda conta sobre o encontro da imagem 300 anos atrás, por pescadores. Afirma ainda que, mesmo três séculos depois, o encontro da imagem e como ele se deu continua a ensinar.

Confira na íntegra a carta do Papa Francisco:

CARTA DO PAPA FRANCIS 
AOS PARTICIPANTES NA ASSEMBLEIA XXXVI GERAL 
DO Conselho Episcopal Latino-Americano (CELAM)
[09-12 maio 2017, SAN SALVADOR]

Meus irmãos bispos reunidos na Assembléia do CELAM

Queridos hermanos:
Quero aproximar de você nestes dias de Assembléia que tem como música de fundo que comemora o 300th aniversário de Nossa Senhora Aparecida. E com você eu gostaria de poder "visitar" o Santuário. A visita dos filhos e discípulos, visita irmãos que querem tirar os sapatos como Moisés na terra santa que sabe acolher o encontro entre Deus e Seu povo. Mesmo assim eu quero que seja a nossa "visita" aos pés da mãe, para que ela gerar-nos esperança e temperar nossos corações crianças. Seria como "casa" para olhar, contemplar mas especialmente para vigiemos, e ser encontrado por Aquele que nos amou primeiro.

300 anos atrás, um grupo de pescadores saiu como de costume para lançar as redes. Eles saíram para ganhar a vida e foram surpreendidos com uma descoberta que mudou suas etapas: suas rotinas são encontrados por um pequeno quadro todo coberto de lama. Foi Nuestra Señora de la Concepción, imagem 15 anos permaneceu na casa de um deles, onde os pescadores iria rezar e ela ajudou-os a crescer na fé. Mesmo hoje, 300 anos depois, Nossa Senhora Aparecida, nos faz crescer, nós mergulhada em uma maneira de discipulado. Aparecida é todo ele uma escola de discipulado. E, a este respeito, gostaria de salientar três aspectos.

O primeiro são os pescadores . Eles não eram muitos, um pequeno grupo de homens que ia diariamente para enfrentar o dia e enfrentar a incerteza que o rio pode segurá-los. Homens que vivem com a insegurança de nunca saber o que seria a "ganhar" do dia; incerteza fácil de gerir quando se trata de trazer comida para casa e especialmente quando há crianças na casa para se alimentar. Pescadores são aqueles homens que sabem em primeira mão a ambivalência que existe entre a generosidade do rio e a agressividade de seus excessos. Homens acostumados a enfrentar dura com vigor e uma certa santa "obstinação" dos que partem diariamente - porque nenhum não pode - jogando redes.

Esta imagem nos leva mais perto do centro da vida de muitos de nossos irmãos. Vejo rostos de pessoas muito cedo e até tarde da noite sair para ganhar a vida. E eles fazem com a insegurança de não saber qual será o resultado. E o que dói é ver que quase o respectivo bispo para enfrentar o inclemência gerado por um dos pecados mais graves que afligem nosso continente: a corrupção, a corrupção que destrói vidas submergindo em extrema pobreza. A corrupção destrói populações inteiras submetendo-os a precariedade. Corrupção, como um câncer, corroendo a vida quotidiana do nosso povo. E há tantos dos nossos irmãos que, admiravelmente, sair para lutar e enfrentar os "excessos" de muitos ... muitos que não precisa sair.

O segundo aspecto é a matriz. Maria sabe em primeira mão a vida de seus filhos. Crioulo ouso dizer para mim é madrassa. Uma mãe que está atento e acompanha a vida própria. Você não vai onde esperado. Na história de Aparecida que são encontrados no rio rodeado por lama. Lá esperando por seus filhos, lá está ele com seus filhos no meio de suas lutas e pesquisas. Não tem medo de mergulhar com eles nas vicissitudes da história e, se necessário, ficar sujo para renovar a esperança. Maria aparece onde os pescadores puxar redes, onde esses homens tentam para ganhar a vida. Lá está ela.

Finalmente, a Reunião sobre ou. As redes são não cheio de peixe, mas uma presença que enchia suas vidas e lhes deu a certeza de que em suas tentativas, suas lutas não estavam sozinhos. Foi a reunião desses homens com Mary. Limpar e restaurar -lo depois que eles tomaram -lhe a uma casa onde permaneceu um tempo. Essa casa, esta casa era o lugar onde os pescadores da região foi para a reunião de Aparecida. E que a presença da comunidade, a Igreja tornou-se. As redes são preenchido com peixes, eles se tornaram comunidade.

Em Aparecida, encontramos a dinâmica dos fiéis que confessou pecador e salvou um povo difíceis e teimosos ciente de que suas redes, a sua vida é cheia de uma presença que incentiva você a não perder a esperança; uma presença que se esconde na casa todos os dias e famílias nos espaços tranquilos em que o Espírito Santo continua a sustentar nosso continente. Tudo isso apresenta um belo ícone que nós, pastores, são convidados a contemplar. Viemos aqui como crianças e como discípulos de ouvir e aprender o que hoje, 300 anos mais tarde, este evento continua a nos dizer.

Aparecida (se esta aparição como hoje a experiência da Conferência) não traz-nos receitas mas critérios-chave, pequenas grandes certezas à luz e, acima de tudo, "ligar" o desejo de tirar toda a roupa desnecessária e voltar às raízes, essencialmente, a atitude que plantou a fé na igreja primitiva e depois fez a nossa terra continente da esperança. Aparecida só quero renovar a nossa esperança no meio de tantos "mau tempo".

O primeiro convite este ícone faz-nos como pastores é aprender a olhar para o povo de Deus. Aprenda a ouvir e para conhecê-lo, dar-lhe a sua importância e lugar. Nenhuma conceptual ou organizacional, nominal ou funcional. Embora seja verdade que hoje há uma maior participação dos fiéis leigos, muitas vezes nós limitado apenas ao comprometimento intra-eclesial sem um incentivo claro para permear, com a força do evangelho, ambientes sociais, políticos, econômicos, universidade. 

Aprender a ouvir o povo de Deus significa que nossos sapatos de nossos preconceitos e racionalizações dos nossos esquemas funcionalistas para aprender como o Espírito trabalha nos corações de muitos homens e mulheres que com grande vigor não parar de jogar as redes e lutar para tornar o evangelho credível a ser conhecido como o Espírito mantém a fé de nosso povo em movimento; que a fé não sabe muito lucro e sucessos pastorais, mas firme esperança. 

Quanto temos a aprender com a fé do nosso povo! mães fé e avós que não têm medo de se sujar para obter os seus filhos à frente. Eles sabem que o mundo em que vivem está cheio de injustiças, em todos os lugares ver e experimentar a privação e a fragilidade de uma sociedade que está cada vez mais fragmentado, onde a impunidade da corrupção continua a ceifar vidas e cidades desestabilizadas.

Não só ele sabe ... eles vivem isso . E eles são um exemplo claro da segunda realidade que como pastores são convidados a tomar: não tenha medo de se sujar para o nosso povo. Não tenha medo da lama da história apenas para resgatar e renovar a esperança. Pesca único que não tem medo de assumir riscos e cometer por conta própria. 

E isso é não nascido de heroísmo ou de caráter camicaze de alguns, nem é ela uma inspiração individual de alguém que quer para imolar. comunidade crente todo é o único que vai em busca de seu mestre, porque apenas sair e deixar as garantias (que tantas vezes são "mundana") é como a Igreja se concentra. Basta parar de ser auto - referencial somos capazes de re-focar a Aquele que é a fonte de vida e satisfação. 

Para viver com esperança é crucial que nós re-foco em Jesus Cristo e viver no centro da nossa cultura e nos vem sempre nova. Ele é o centro. Esta certeza e convite nós, pastores, ajuda a se concentrar em Cristo e Seu povo. Eles não são antagônicos. Contemplando Cristo em seu povo é para aprender a nos descentrar, para se concentrar por um pastor. Re-focus com Cristo em Seu povo é para ter a coragem de ir para as periferias do presente e futuro com confiança na esperança de que o Senhor está ainda presente e sua presença será uma fonte de vida abundante. Daí criatividade e força virá para chegar onde novos paradigmas que estão I anunciar a vida dos nossos países e para conseguir, com a Palavra de Jesus, o núcleo mais profundo da alma das cidades, onde, todos os dias restantes, cresce a experiência de não serem cidadãos mas sim "meia cidadãos" ou "excedente urbana" (cfr. EG 74).

É verdade, não podemos negar a realidade que são apresentados com cada vez mais complicado e confuso, mas somos convidados a viver como discípulos do Mestre, sem deixar-se.

Asséptica e observadores imparciais, mas os homens e mulheres que são apaixonadas sobre o Reino, ansiosos para permear as estruturas da sociedade com a vida e amor que temos conhecido. E isso não como colonizadores ou conquistadores, mas compartilhando o bom odor de Cristo e que é aquele cheiro que continuam a transformar vidas.

Mais uma vez repito, como um irmão, ele escreveu em Evangelii Gaudium (49): "Eu prefiro uma Igreja robusto, ferido e manchado sair, antes de uma igreja doente para o fechamento e conforto para manter a para os próprios títulos. Eu não quero uma Igreja preocupado em ser o centro e extremidades fechadas em um emaranhado de obsessões e procedimentos. Se algo devem se preocupar e se preocupar nossa santa consciência é que muitos dos nossos irmãos vivem sem a força, luz e conforto da amizade com Jesus Cristo, sem uma comunidade de fé que contém, sem um horizonte de sentido e vida. Mais do que o medo de contradição Espero que se move nos temer bloquear-nos nas estruturas que nos dão uma falsa disputa nas regras que nos fazem juízes implacáveis nos costumes que nos sentimos calma, enquanto uma multidão faminta e Jesus nos para fora repete incansavelmente: "Dê-lhes algo para comer!" ( Mc 6, 37) ".

Isso vai ajudar a revelar a dimensão misericordioso de maternidade da Igreja, seguindo o exemplo de Aparecida, está entre os "rios e lama da história" acompanhando e incentivando esperança para cada pessoa, onde quer que seja, você pode se sentir em casa você pode sentir filho amado, que ele queria e esperava.

Este olhar, este diálogo com o povo fiel de Deus, o pastor oferece dois muito bom para cultivar atitudes coragem de anunciar o Evangelho e resistência para superar as dificuldades e problemas que ela causa de pregação. Na medida em que nos envolvemos com a vida de nossos fiéis e sentir a Hondón de seus ferimentos, podemos olhar sem "filtros clericais" o rosto de Cristo, ir ao seu Evangelho para rezar, pensar, discernir e deixar-nos ser transformado de Sua rosto, pastores de esperança. Maria, Nossa Senhora Aparecida, continuam trazendo-nos o seu Filho para que nEle nossos povos tenham vida ... e em abundância.

E, por favor, peço-lhe para não esquecer de orar por mim. Abençoar Jesus e os cuidados Virgem para eles. Fraternalmente.

Vaticano, 8 de mayo de 2017.
Francisco
NEXT ARTICLE Next Post
Post Anterior Próximo Post
NEXT ARTICLE Next Post
Post Anterior Próximo Post
 

Por FeedBurner (Seguro e simples)