domingo, 23 de abril de 2017

FAMÍLIA: Seus filhos sabem muito mais sobre seu casamento do que você pensa


Toda noite, meu filho Wiwi tem uma história de dormir. Em uma noite recente, ele escolheu um livro com dois ursos, pai e filho, que abraçam todos os seus amigos quando os encontram; um conto simples sobre algo comum, mas muito importante para aprender os conceitos gerais de apreciação e afeto.

Perguntei ao meu filho,

“Quem é que o Wiwi gosta de abraçar?”
“Mamãe! Papai!”
“E quem a mamãe gosta de abraçar?”
“Papai!”

Fiquei surpresa, pois esperava que ele se nomeasse. Fiquei espantada com o fato de que esta pequena criança, que mal sabe falar, que corre pela casa como um selvagem e vive em seu próprio mundo sabe que a mamãe gosta de abraçar o papai. Um fato simples, mas que significa que meu garotinho sabe muito mais do que eu percebi.


Claro, as crianças são um pouco imitadoras. Elas observam e guardam tudo: o que nos faz rir quando contamos uma piada, ou quem e como abraçamos uns aos outros. E essas são coisas boas para elas aprenderem com a mãe e o pai. Mas se as crianças não apenas registram e lembram gestos associados com emoções agradáveis, elas também guardam coisas que estão perturbando: quando nós gritamos ou usamos palavras ruins, quando nós fazemos cara feia ou brigamos ou pedimos desculpas. Aqueles olhos pequenos veem tudo.

Uma das coisas que lembro claramente da minha infância é a minha professora da pré-escola. Lembro-me de seu sorriso e do calor que sempre a cercava. Eu também me lembro da zeladora, que fazia para mim chá com limão em um copo esmaltado. Depois da aula, eu costumava ajudá-las a limpar. Sinto afeto quando me lembro disso. Mas, honestamente, eu não consigo me lembrar de uma única lição ou conversa que eu tive com elas. Mas isso não importa: essas mulheres estão embutidas em minhas emoções, e eu sempre terei associações positivas em relação a elas.

Isso é uma prova pessoal de que mais importante do que as palavras específicas que uma criança imita são as emoções e significados por trás delas. Essas são as coisas que ficam. O que significa que há algumas perguntas importantes que vale a pena perguntar: Que emoções eu exibo regularmente em minha casa e na frente dos meus filhos? Que cores meu filho usaria para desenhar a mim ou ao meu marido?

À medida que observamos essas perguntas, começamos a perceber: elas são 99% sobre sua relação conjugal, natural e sutilmente entrelaçadas com suas práticas parentais.

Mas isso não quer dizer que você deve tentar proteger seus filhos de suas emoções. Sentimentos e situações difíceis acontecem. Isso é a vida. E seria ingênuo pensar que as crianças não colidirão com aqueles sentimentos de tristeza, raiva, desapontamento e vergonha, mais cedo ou mais tarde. Então, em vez disso, seu trabalho como mãe e pai é guiá-los através deste mundo emocional de forma realista e inteligente. O objetivo é que seu filho sinta que pode abraçar seus sentimentos e controlá-los; você quer que eles sejam capazes de escolher se sentir corajoso, otimista ou grato, mesmo em um dia ruim. E que é bom chorar quando estamos tristes.

E a melhor maneira de fazer isso é demonstrar emoções construtivas em seu próprio casamento: como você é afetuoso, como discorda e como se desculpa, porque a reconciliação é uma das coisas sociais e emocionais mais importantes que uma criança deve aprender… e todos sabemos que não é fácil mesmo quando somos adultos. Argumentar é humano; reconciliar, divino.

Então, se acontecer de você ter uma briga na presença de seus filhos, peça desculpas de forma tão apaixonada como foi a briga. Não economize em gestos quentes e palavras gentis quando pedir desculpas. Pode ser uma frase, “Perdoe-me. Desculpe…”, então acrescente um abraço, um beijo, uma dança, uma declaração de amor, ou o que for mais natural para seu relacionamento.

Encha seus filhos com emoções positivas. Permita que seus filhos sintam que seus pais se amam, mesmo não sendo perfeitos; os pais são pessoas que não podem apenas brigar um contra o outro, mas pelo outro. Porque mostrar que os argumentos não podem quebrar o amor cria um sentimento de segurança em sua família. Seu filho verá que, às vezes, as emoções podem ser tão fortes como um tornado, mas sua casa não vai cair, porque é baseado em algo muito mais permanente: o fundamento do seu amor, fé, honestidade e compromisso ao longo da vida.

Fonte: Aleteia
Próximo Artigo Próxima Publicação
Post Anterior Próximo Post
Próximo Artigo Próxima Publicação
Post Anterior Próximo Post
 

Por FeedBurner (Seguro e simples)