domingo, 5 de março de 2017

FAMÍLIA, ESCOLA DE TERNURA


É importante aprender a construir sobre rocha nossos anseios mais nobres, para que não acabem como projetos de poucos períodos da vida. Refiro-me a todos aqueles planos que fazemos na cabeça, mais que no coração, e que finalmente são dispersos pelo tempo.

Eu gostaria de refletir sobre projetos que incluam o perdão e a restauração familiar. Não existe instituição sobre a terra que mereça mais atenção que a família. É nela que Deus começou uma história de salvação e de amor por cada um de nós; é nela que, apesar de todas as suas deficiências, experimentamos a ternura de Deus; e é nela, portanto, que devemos fazer nossos maiores investimentos de tempo e afetos.

É importante diferenciar o que se quer do que se ama e do que se pode fazer. Um dos aspectos que precisamos analisar, neste sentido, é o tempo investido em casa. Muitas vezes usamos como desculpa o excesso de trabalho para não estar em família, apoiando-nos na ideia de poder deixar aos filhos um legado econômico que lhes garanta o futuro. Isso é uma falácia, pois a fortuna material não produz a estabilidade e a qualidade de vida que todos querem ter e defender.

Pensemos em todos aqueles membros da família com quem precisamos nos reconciliar, e incluamos em nossos projetos a construção de uma nova oportunidade de amor, perdão, ternura. É importante tomar a decisão partindo da força de vontade, não dos caprichos pessoais.

É preciso compartilhar melhores espaços e momentos com a família, até que tais momentos se tornem sagrados para cada um dos seus membros, levando-os a adiar as demais atividades em prol do lar e do fortalecimento dos vínculos afetivos.

Pais que não dão carinho aos seus filhos dificilmente terão acesso ao seu coração. Que o trabalho não se torne uma desculpa para deixar de abraçar, beijar, acariciar o cônjuge e os filhos; que o dinheiro não se torne um paliativo para os momentos de solidão; e que a ternura esteja em primeiro lugar.

Este é um verdadeiro projeto de vida em comum. Todo o resto (casa, trabalho, lazer) é importante, mas está em segundo lugar na escala de valores do que deve ser realmente indispensável para todos.

Precisamos revisar essa escala de valores que temos em nossa cabeça, perguntando-nos se ela está enraizada no coração, porque o problema não está naquilo em que achamos que nos importa, mas no que verdadeiramente nos importa.

Não conheço ninguém que não diga que Deus e a família estão em primeiro lugar, mas, na prática, estes dois elementos acabam ficando em um segundo plano, depois de outros nos quais se investe mais tempo e mais dinheiro.

A felicidade não está longe; dela fazem parte pessoas e situações que muitas vezes não valorizamos tanto, porque colocamos nosso coração naquilo que pode trazer algum prazer momentâneo.

A família é uma instituição sagrada, um recinto no qual aprendemos a ternura e o amor, um espaço no qual conhecemos o amor de Deus e aprendemos a amá-lo e respeitá-lo. A família talvez seja o único e verdadeiro tesouro que possuímos na terra, pois, ainda que seja verdade que não levamos nada desta vida, é nela que ficamos.


Fonte: Aleteia
Próximo Artigo Próxima Publicação
Post Anterior Próximo Post
Próximo Artigo Próxima Publicação
Post Anterior Próximo Post
 

Por FeedBurner (Seguro e simples)