História de um Santo: Santa Maria Faustina Kowalska



Comemora-se no dia 05 de outubro.

Irmã María Faustina, apóstolo da Divina Misericórdia, forma parte do círculo de Santos da Igreja mais conhecidos. Através dela o Senhor Jesus transmite ao mundo a grande mensagem da Divina Misericórdia e apresenta o modelo da perfeição cristã apoiada sobre a confiança em Deus e a atitude de caridade para o próximo. 

Nasceu em 25 de agosto de 1905 como a terceira filha entre dez irmãos na família de Mariana e Estanislao Kowalski, camponeses da aldeia de Glogowiec. No santo batismo, celebrado na igreja paroquial de Swinice Warckie, lhe impôs o nome da Elena. Desde pequema se destacou pelo amor à oração, a laboriosidade, a obediência e uma grande sensibilidade diante da pobreza humana. Aos 9 anos recebeu a Primeira Comunhão. Viveu-a muito profundamente, consciente da presença do Hóspede Divino em sua alma. Sua educação escolar durou apenas três anos. Ao fazer 16 anos abandonou a casa familiar para que, trabalhando de empregada doméstica em casas de famílias abastadas deo Aleksandrów, £ódz e Ostrówek, conseguir manter-se e ajudar aos pais. 

Já dos 7 anos  sentia em sua alma o chamado à vida religiosa, mas com a negativa dos pais para sua entrada no convento, tentou apagar dentro de si a voz da vocação divina. Entretanto, apressada pela visão de Cristo sofredor foi a Varsóvia e ali, em 1 de agosto de 1925 entrou na Congregação das Irmãs da Mãe de Deus da Misericórdia onde, como irmã María Faustina, viveu treze anos. Trabalhou em distintas casas da Congregação. Passou os períodos mais compridos no Cracóvia, Plock e Vilna cumprindo os deveres de cozinheira, jardineira e porteira. 

Para quem a observasse de fora nada percebia de  sua singular intensa vida mística. Cumpria seus deveres com ardor, observava fielmente todas as regras do convento, era recolhida e calada, mas ao mesmo tempo natural, cheia de amor benévolo e desinteressado ao próximo. Sua vida, aparentemente ordinária, monótona e cinza, caracterizou-se pela extraordinária profundidade de sua união com Deus. 

Sua espiritualidade se apóia no mistério da Divina Misericórdia, que ela meditava na Palavra de Deus e contemplava no cotidiano de sua vida. O conhecimento e a contemplação do mistério da Divina Misericórdia desenvolviam nela uma atitude de confiança de criança para Deus e a caridade para o próximo. Ó meu Jesus —escreveu— cada um de seu Santos reflete em si uma de suas virtudes, eu desejo refletir seu Coração compassivo e cheio de misericórdia, desejo glorificá-lo. Que sua misericórdia, Ó Jesus, fique impressa sobre meu coração e minha alma como um selo e este será meu sinal distintivo nesta vida e na outra. (Jornal 1242). Irmã Faustina era uma fiel filha da Igreja a que amava como a Mãe e como o Corpo Místico do Jesus Cristo. Consciente de seu papel na Igreja, colaborou com a Divina Misericórdia na obra de salvar às almas perdidas. Com este propósito se ofereceu como vítima cumprindo o desejo do Senhor Jesus e seguindo seu exemplo. Sua vida espiritual se caracterizou pelo amor à Eucaristia e por uma profunda devoção à Mãe da Divina Misericórdia. 

Os anos de sua vida no convento abundaram em graças extraordinárias: revelações, visões, estigmas ocultos, a participação na Paixão do Senhor, o dom de bilocação, os dons de ler nas almas humanas, de profecia e de esponsais místicos. Um contato vivo com Deus, com a Santíssima Mãe, com anjos, Santos e almas do purgatório: todo mundo extraordinário não era para ela menos real que o mundo que percebia através dos sentidos. Cheia de tantas graças extraordinárias sábia, entretanto, que não são estas as que determinam a santidade. No Diário escreveu: Nem graças, nem revelações, nem êxtase, nem nenhum outro dom concedido à alma a faz perfeita, mas sim a comunhão interior de minha alma com Deus. Estes dons são somente um adorno da alma, mas não constituem nem a substância nem a perfeição. Minha santidade e perfeição consistem em uma estreita união de minha vontade com a vontade de Deus (Jornal 1107). 

O Senhor Jesus escolheu a irmã Faustina por secretária e  apóstolo de sua misericórdia para, através dela, transmitir ao mundo sua grande mensagem. No Antigo Testamento —lhe disse— enviava aos profetas com trovões a meu povo. Hoje lhe envio a ti a toda a  humanidade com minha misericórdia. Não quero castigar à humanidade doente, mas sim desejo saná-la, abraçá-la com meu Coração misericordioso (Jornal 1588). 

A missão de irmã Faustina consiste em 3 tarefas: 

– Aproximar e proclamar ao mundo a verdade revelada na Sagrada Escritura sobre o amor misericordioso de Deus a cada pessoa. 

– Alcançar a misericórdia de Deus para o mundo inteiro, e especialmente para os pecadores, por exemplo através da prática das novas formas de culto à Divina Misericórdia, apresentadas pelo Senhor Jesus: a imagem da Divina Misericórdia com a inscrição: Jesus, em ti confio, a festa da Divina Misericórdia, o primeiro domingo depois da Páscoa de Ressurreição, o cocuruto à Divina Misericórdia e a oração na hora da Misericórdia (as três da tarde). A estas formas da devoção e à propagação do culto à Divina Misericórdia o Senhor Jesus vinculou grandes promessas sob a condição de confiar em Deus e praticar o amor ativo para o próximo. 

– A terceira tarefa é inspirar um movimento apostólico da Divina Misericórdia que tem que proclamar e alcançar a misericórdia de Deus para o mundo e aspirar à perfeição cristã seguindo o caminho esboçado pela devota irmã María Faustina. Este caminho é a atitude de confiança de menino para Deus que se expressa em cumprir sua vontade e a postura de caridade para o próximo. Atualmente este movimento dentro da Igreja abrange a milhões de pessoas no mundo inteiro: congregações religiosas, institutos laicos, sacerdotes, irmandades, associações, distintas comunidades de apóstolos da Divina Misericórdia e pessoas não congregadas que se comprometem a cumprir as tarefas que o Senhor Jesus transmitiu por irmã María Faustina. 

Irmã María Faustina manifestou sua missão no Jornal que escreveu por mandato do Senhor Jesus e dos confessores. Registrou nele com fidelidade tudo o que Jesus lhe pediu e descreveu todos os encontros de sua alma com Ele. Secretária de meu mais profundo mistério —disse o Senhor Jesus a irmã María Faustina— sua missão é a de escrever tudo o que te faço conhecer sobre minha misericórdia para o proveito daqueles que lendo estes escritos, encontrarão em suas almas consolo e adquirirão valor para aproximar-se de mim (Jornal 1693). Esta obra a respeito de modo extraordinário o mistério da misericórdia Divina. Atrai não somente às pessoas singela mas também a cientistas que descobrem nela um frente mais para suas investigações. O Jornal foi traduzido a muitos idiomas,por citar alguns: inglês, alemão, italiano, espanhol, francês, português, árabe, russo, húngaro, tcheco e eslovaco. 

Irmã María Faustina extenuada fisicamente pela enfermidade e os sofrimentos que oferecia como sacrifício voluntário pelos pecadores, plenamente adulta de espírito e unida misticamente com Deus morreu no Cracóvia em 5 de outubro de 1938, com apenas 33 anos. A fama da santidade de sua vida ia crescendo junto com a propagação da devoção à Divina Misericórdia e a medida das obrigado alcançadas por sua intercessão. Entre os anos 1965-67 no Cracóvia foi levado a cabo o processo informativo sobre sua vida e suas virtudes e em 1968 se abriu em Roma o processo de beatificação, concluído em dezembro de 1992. Em 18 de abril de 1993, na Praça de São Pedro de Roma, o Santo Pai Juan Pablo II beatificou a Irmã María Faustina. Suas relíquias jazem no santuário da Divina Misericórdia do Cracóvia-£agiewniki. 

FONTE: www.vatican.va
História de um Santo: Santa Maria Faustina Kowalska História de um Santo: Santa Maria Faustina Kowalska Reviewed by Eu & Deus on dezembro 19, 2015 Rating: 5